Home Artigos Nunca vi ninguém morrer por não casar…

Nunca vi ninguém morrer por não casar…

196
0

“Nunca vi ninguém morrer por demorar para se casar. Mas vi muita gente morrer por casar mal.”

É com essa frase que começo o texto de hoje.

Já notou como a nossa geração anda bem ansiosa?

Ansiosa para crescer, se formar, ser relevante, casar, conquistar o mundo, ter um carro, construir um legado, ganhar multidões, ter um ministério, ganhar dinheiro, ficar sarado, mentalmente saudável e ainda sendo influencer digital, rs! Nossa, será que não cansa?

Na vida emocional não é diferente. É tipo: “nossa, você viu como fulano aos 30 já casou, tem um filho, carro na garagem e apartamento?” e além disso, pensam “poxa, eu nem se quer estou namorando e fulano já conseguiu tudo isso?” como se a vida fosse uma competição de quem chega primeiro.

Vejo gente se relacionando não porque quer, mas por precisar mostrar algo para alguém.

Gente que não respeita seus próprios limites, e se diminui para “caber” no coração do crush.

Gente que não reconhece seu próprio valor e espera ser valorizado em um relacionamento (Oi?).

Gente que acha que precisa ter um padrão de beleza para ser desejado, quando o padrão de beleza do mundo não é aquele que deve ser seguido, pois corpo bonito é aquele que tem gente feliz morando dentro dele.

Portanto, não ache que você está “encalhado” por não estar namorando, ou noivo… Encalhado é quem casou errado, e não pode mudar a escolha que fez. Você que está solteiro PODE!

Pode ser mais gentil consigo mesmo, orar por alguém incrível e ser incrível para alguém.

Pode ser paciente e não deixar que a ansiedade te domine, pois ela não é uma boa conselheira para ninguém.

Pode entender que não é sobre um Deus que te proíbe de nada, mas sobre um Pai que protege, e que se você atentamente o ouvir, será bem sucedido em tudo o que fizer.

Fique solteiro até quando ser solteiro não for uma prisão pra você, mas significar a liberdade de escolher não por pressão, mas porque entendeu o valor de cada etapa da vida.

Até a próxima,

Kamila.

COMPARTILHE ESTE ARTIGO: